Análise: Escape Doodland

O novo trabalho do estúdio FlukyMachine chamado de “Escape Doodland“, é uma verdadeira caixinha de surpresa. Trata-se de um game de plataforma 2D no estilo runner.

O jogo parece ter vindo diretamente de um caderno de um jovem que durante a aula estava entediado e começou a dar vida a sua criatividade por de desenhos, e desta forma criando muitas páginas cheias de diversão, empolgação e excentricidade.

Não temos uma história de fato aqui. Mas o título tem a história que precisa ter, a diversão é o principal pilar aqui. O jogador está correndo desesperadamente para evitar ser engolido por Omnomus, um monstro gigante que acha bastante saboroso os seres que habitam naquele mundo.

Direção de arte

O visual de “Escape Doodland” é bem excêntrico e cheio de estilo. Todos os rabiscos, ambientações, criaturas, vegetações, objetos são bem condizentes com o conceito proposto. Porém, a trilha sonora consegue se destacar mais ainda, é muito cativante. As músicas vão desde um jazz animado até algo num estilo mais sombrio. Outros detalhes interessantes são esses elementos não se repetirem ao longo do jogo e como se complementam tão bem. Portanto, são eles os responsáveis pela caixinha de surpresa que foi citada anteriormente.

Gameplay

Sobre a jogabilidade, não há nada de muito original nesse sentido. Entretanto, isso não é necessariamente ruim, visto que o mesmo tem o suficiente para render bons momentos de diversão e desafio. As mecânicas são de um típico runner, ou seja, o jogador vai correr automaticamente pra frente sem parar, e vai usar botões para desviar de obstáculos, usar poderes e coletar itens que serão de grande ajuda durante a jogatina.

Os itens que você coleta são feijões e fósforos. Os feijões servem para debloquear personagens e melhorias para os seus peidos, sim os poderes do seu personagem são flatulências. As habilidades vão desde impulsos até peidos na cara do monstro para o deixar atordoado, só é possível fazer uso dos mesmos quando o jogador tem fósforos, eles podem ser recolhidos nos níveis ou comprados com feijões.

Após terminar uma fase vai ficar disponível a opção de jogar ela novamente em uma dificuldade maior que tira os checkpoints. Isso além de ajudar a prolongar longevidade do game, ainda traz mais itens para serem coletados.

Ficha técnica
  • Desenvolvedora: FlukyMachine
  • Distribuidoras: PlayWay S.A e Ultimate Games S.A
  • Lançamento: 30 de novembro de 2018 (PC e Switch)
  • Gêneros: Plataforma 2D e runner

[wp-review id=”27093″]

Reviews

0 %

Notas Usuários

0 reviews
Dar Nota

Deixe um comentário

0 Comments