The Game Awards - Game Of The Year

The Game Awards 2018 – Game of the Year

Opinião pessoal sobre os indicados à categoria Game of The Year.

Olá meus caros leitores do Galaxia Nerd, como todos sabem todo ano temos a The Game Awards que seria uma espécie de Oscar voltado aos Games, e amanhã dia 06/12 acontece em Los Angeles a The Game Awards 2018, para quem for acompanhar ao vivo, o horário está previsto para as 23h (horário de Brasília).

Com base nisso decidi expressar minha opinião sobre os indicados a Game of The Year desse ano.

 

Os indicados desse ano são:

 

  • Assassin’s Creed Odyssey (Ubisoft Quebec / Ubisoft)
  • Celeste (Matt Makes Games)
  • God of War (Sony Santa Monica / SIE)
  • Marvel’s Spider-Man (Insomniac Games / SIE)
  • Monster Hunter: World (Capcom)
  • Red Dead Redemption 2 (Rockstar Games)

 

Vou seguir a lista e começar falando sobre Assassins Creed Odyssey , quando Odyssey foi anunciado durante a E3 2018, admito que fiquei com o pé atrás, pois o lançamento de Assassins Creed Origins ainda estava fresco e logo meu medo era de que a Ubisoft que havia acertado ao lançar o Origin cometesse o erro de voltar a lançar jogos anualmente , porém meus medos ficaram para trás assim que comecei à jogar, Odyssey conseguiu superar seu antecessor em todos os aspectos, a jogabilidade aprimorada junto de um mundo aberto riquíssimo em detalhes nos faz imergir totalmente no jogo, há problemas ainda , os NPCs são totalmente sem vida, e nos tiram um pouco da imersão, em alguns momentos as Quests secundárias tornam-se repetitivas de mais, a ponto de exaustar o jogador, porém as Quests principais são ricas em todos os detalhes, desde a narrativa até a trama e reviravolta, e sim há mais de uma linha principal de Quests à se seguir, além do jogo contar com uma opção inédita até então, a opção de escolha nos diálogos, e com essa opção o jogo nos trás até nove possíveis finais. Sem dúvidas Assassins Creed Odyssey mereceu sua indicação ao Game of The Year, mostrando que a franquia ainda respira e que definitivamente conseguiu se reinventar.

 

Uma surpresa das indicações para Game of The Year de 2018 é o jogo Celeste.

Não se deixe enganar, o jogo é sim um jogo Indie e de um formato pouco jogado nos dias de hoje, e essa é ainda não é a principal diferença de Celeste, o jogo tem como tema principal abordar temáticas como depressão, autodescoberta e ansiedade, o jogo consegue fazer algo que poucos hoje em dia conseguem que é fazer com que o jogador sinta na pele as angustias e desafios que seu personagem (Madaleine) sente. Para quem gosta de um jogo desafiador e com uma ótima história/narrativa Celeste é o jogo perfeito que vai te prender enquanto você desbrava uma montanha com mais de 700 telas de desafios. E é impossível falar de Celeste sem fazer uma menção honrosa ao  ultimo jogo que abordou assuntos do tipo e que joguei, Hellblade: Senua’s Sacrifice do estúdio Ninja Theory, um jogo indie porém de proporções que chegam à ser muito melhores que muitos outros títulos considerados ”Triple A“. E Celeste não é diferente, e sua nomeação à Game of The Year prova isso!

 

GAROTO” … Meus amigos, que jogo! E todos já sabem que estou falando do God of War do estúdio Santa Monica, também indicado à Game of The Year, após anos de ansiedade aguardando uma continuação do nosso tão amado God of War, aqui está ela, fazendo jus à todo o legado da franquia. O jogo nos traz mais uma vez a história de Kratos, agora em um novo ambiente , longe da Grécia antiga, Kratos está vivendo sua vida ao lado de seu filho, Atreus, e juntos tem a missão de levar as cinzas da mãe de Atreus ao topo da montanha, porém essa simples jornada será repleta de desafios, reviravoltas e revelações. A dinâmica de combate foi totalmente reformulada em comparação aos títulos anteriores, o jogo ficou mais desafiador mas ainda mantendo elementos nostálgicos da saga, os gráficos estão de tirar o folego, e a narrativa da história está fantástica, nos trazendo aquela ansiedade de saber mais e entender todo o mistério que gira em torno dessa nova vida de Kratos e de seus novos inimigos, os Deuses Nórdicos. Sem duvidas o estúdio Santa Monica conseguiu mostrar que a saga de Kratos ainda respira e que ainda vai conseguir trazer inúmeros títulos de alto nível!

O jogo mais divertido do ano, pelo menos para mim, foi o Marvel’s Spider-Man, desde seu anuncio o jogo já mostrava que viria para brigar com os grandes títulos de 2018, e sua indicação a Game of The Year está provando isso! O jogo em si é super divertido, cheio de piadas e de momentos que provam que o Spider-Man continua sendo o amigão da vizinhança, o combate do jogo está sensacional, cheio de combos e possibilidade de usar os Gadgets para desenvolver inúmeras estrategias  de combate, o jogo em si porém não é um mar de rosas, a repetição torna o jogo aos poucos cansativo em certos momentos, porém ainda não tira o o brilho do mesmo, um ótimo jogo e super divertido que proporciona aquilo que o jogo tem como missão principal nos proporcionar: a diversão.

 

Monster Hunter: World trás um mundo cheio de criaturas para enfrentarmos, seja sozinho ou em equipe no modo Multiplayer, um jogo que surpreendeu com seus gráficos e jogabilidade, a história em si não é o ponto forte do jogo visando que a mesma se torna previsível, porém os combates épicos contra os mais diversos tipos de criaturas, cada uma com seu Status único, as estratégias e equipamentos certos são totalmente necessários para garantir a vitória, Monster Hunter é um ótimo game e com ambientações incríveis e de tirar o folego, além da divertida possibilidade de enfrentar incríveis criaturas com seus amigos no modo Multiplayer prova que a franquia da Capcom ainda pode nos surpreender e muito!

 

 

“LEEENY!” *Quem jogou vai entender*
Red Dead Redemption 2 está entre nós, e mais uma vez a Rockstar mostra que a demora em lançar seus jogos é totalmente justificável, Red Dead nos trás a história de Arthur Morgan, e a história se passa anos antes dos acontecimentos do jogo antecessor. O jogo traz inúmeros elementos que fazem com que o gigante mundo aberto se torne plenamente vivo e traiçoeiro, os gráficos e a paisagem do jogo são de tirar o folego! O jogo se inicia com a gangue fugindo de Blackwater após um roubo mal sucedido, a Gangue por fim se instala em uma montanha durante uma nevasca e é ai que assumimos o controle do personagem Arthur Morgan, o ”tutorial” do jogo se passa durante os eventos da nevasca na montanha, e não sei se foi a intenção da Rockstar, mas as longas duas horas de tutorial naquele clima gelado da montanha nos faz sentir na pele a agonia de todos os personagens ali presentes fazendo com que nossa vontade de sair daquele lugar logo seja tão grande quanto a dos personagens. A trama do jogo é repleta de reviravoltas e traições, para quem já jogou o título anterior talvez não seja surpresa, porém a Rockstar conseguiu fazer com que até mesmos jogadores que jogaram o titulo anterior ficassem de queixo caído a cada reviravolta na história. Falando um pouco dos NPCs do jogo, cada uma tem personalidade própria e se torna único no vasto mundo aberto, os diálogos e expressões dos NPCs nos fazem imergir ainda mais no jogo, o sistema de honra do jogo no começo é algo um pouco chato, ainda mais se você pretende manter a honra de Arthur alta, porém ao longo do jogo nos adaptamos à isso, ainda falando sobre honra, nosso nível de honra trará mudanças no final do jogo. Além disso tudo o jogo trouxe gráficos que de longe são os melhores da geração, mais uma vez provando que a Rockstar não brinca em serviço, e por falar em serviço, a Rockstar parece que aprendeu com o vencedor de Game of The Year do ano passado, Zelda Breath of Wild, desde interação com elementos do mundo, quanto ao ato de domar cavalos, algo que é super importante no decorrer de Red Dead Redemption 2. Em resumo o game não está de brincadeira e prova que a Rockstar sempre consegue estar à frente da concorrência e que não é necessário lançar vários jogos para ser uma boa publisher.

 

 

Em resumo, na minha opinião os dois grandes títulos para essa Game Awards, e os dois grandes títulos para indicados a Game of The Year são God of War e Red Dead Redemption 2, ambos os jogos estão ao meu ver à frente dos concorrentes, lembrando que todos os jogos indicados são ótimos jogos, cada um forte no seu ponto, mas no geral na minha opinião essa The Game Awards vai ser decidida entre Kratos VS Arthur Morgan, God of War VS Red Dead Redemption 2, outra coisa à se mencionar, é que meu jogo favorito desse ano foi o Assassins Creed Odyssey, já sou fã da franquia, e mesmo nos seus altos e baixos sempre joguei seus títulos, e Odyssey provou que a Ubisoft encontrou o caminho para revigorar a saga de Assassins Creed, porém é impossível negar que tanto God of War quanto Red Dead Redemption 2 estão à frente nos quesitos necessários durante a avaliação à Game of The Year.

E você, qual a sua opinião sobre os indicados à Game of The Year? Não deixe de comentar e compartilhar sua opinião!

 




Veja os comentários abaixo!

Hazumi