0
A Square Enix decidiu trazer a trilogia Dragon Quest original para o Nintendo Switch. Esses remakes podem não ser perfeitos em todos os aspectos, mas a trilogia original mostra como a franquia Dragon Quest ganhou seu lugar na fundação da história dos jogos.
Dragon Quest original lançado em 1986 no Japão e em 1989 na América do Norte sob o nome Dragon Warrior. Dragon Quest II lançado em 1987 no Japão e 1990 na América, apenas um ano depois em seus respectivos países. O jogo final da trilogia foi lançado novamente no próximo ano no Japão, mas o público ocidental não veria esse título até 1992. Juntos, a trilogia conta a história de um herói lendário conhecido como Erdrick e seus descendentes, lutando contra o mal enquanto ele ultrapassa o mundo.
GRÁFICOS
Os remakes do Switch desses jogos são baseados nos ports de celular, lançados nos últimos anos. Eles ostentam muitas das atualizações encontradas, como gráficos aprimorados, trilhas sonoras orquestradas e scripts reescritos para torná-los mais alinhados com os títulos modernos do Dragon Quest. Embora os novos gráficos possam ser considerados mais do que apenas um passo em relação aos gráficos originais do NES, eles não são perfeitos. Os sprites dos personagens foram suavizados para parecer menos pixelizados, mas, como resultado, às vezes contrastam com os mapas pixelados, o que pode agradar a uns e desgradar a outros que preferem o formato mais pixelado. As mudanças nas quais estou mais em conflito, no entanto, são os sprites de monstros refeitos. Ao contrário dos ports móveis, os remakes do Switch refizeram todos os monstros para parecerem mais com suas obras de arte principais, e o resultado é uma mistura. Embora eu goste de aproveitar a obra de arte de Akira Toriyama com todo o efeito, há uma sensação fora do lugar que a acompanha, como se eu estivesse olhando uma imagem diretamente em cima dos sprites originais. Seria bom ver um retorno aos ataques animados encontrados em alguns dos jogos Super Nintendo e até Gameboy.
GAMEPLAY/RESUMO
O primeiro jogo da série (agora intitulado no ocidente como Dragon Quest), estabelece corretamente o que agora consideramos básico de um JRPG e, como esperado, segue uma história simples. Você assume o papel de descendente de Erdrick e é enviado ao mundo para derrotar o maligno Senhor do Dragão. É principalmente uma aventura direta, sem reviravoltas, mas a jornada em si ainda é encantadora o suficiente. Com apenas um membro do grupo, o Dragon Quest nunca tem jogadores enfrentando mais de um inimigo por vez. Isso significa que, fora de algumas das batalhas mais difíceis, não há muita estratégia além de realizar ataques básicos e ter resistência para sobreviver ao duelo.
Geralmente é aqui que os elementos de moagem do Dragon Quest empinam a cabeça. Embora não seja muito extremo em comparação com o lançamento original, pontos de ouro e experiência precisarão ser cultivados através da luta contra inimigos se os jogadores tiverem alguma esperança de derrotar o Senhor do Dragão.(O jogador precisa batalhar bastante no mapa para ficar forte). Embora eu tenha aproveitado meu tempo com isso, não recomendaria o Dragon Quest original como a entrada de alguém na série. Vale a pena dar uma olhada para qualquer pessoa interessada em revisitar o passado dos jogos, principalmente porque o jogo em si tem apenas dez horas de duração.
Dragon Quest II: Luminaries of the Legendary Line dá muitos passos para se tornar o que estamos acostumados aos JRPGs, mas também nos mostra alguns dos obstáculos que precisavam ser superados. Anos após o primeiro jogo, os jogadores agora são colocados no lugar de um descendente do herói de Dragon Quest original. Este novo herói, um jovem príncipe, é encarregado de derrotar um mago do mal chamado Hargon e impedi-lo de convocar o demônio conhecido como Malroth. Está imediatamente claro desde os momentos de abertura do jogo que há uma história muito mais relevante desta vez. Ainda não é o enredo mais profundo, mas há muito mais pelo menos. Além disso, o mundo agora está bastante expandido em comparação com o primeiro jogo. De fato, a totalidade do mapa do primeiro jogo representa apenas uma pequena parte do mundo de Dragon Quest II.
A segunda maior mudança afeta o sistema de batalha. Ao contrário do primeiro jogo, os jogadores agora formam um grupo de três personagens, o que significa que vários inimigos podem ser combatidos ao mesmo tempo. Isso adiciona muito à diversidade na batalha, mas cria alguns problemas também. Novos personagens se juntam à sua equipe no nível um e precisam ser atualizados se quiserem alguma utilidade. Isso basicamente triplica a rotina de Dragon Quest II, algo que não era necessário para um jogo que já tem pelo menos o dobro do comprimento do seu antecessor.
Uma pequena mudança que me ajudou a apreciar mais os gráficos mais novos é a tela de batalha mais ampla. Com os sprites inimigos ligeiramente encolhidos, eles pareciam se encaixar mais nos cenários em que foram colocados. Definitivamente, Dragon Quest II parece um jogo mais adequado do que a primeira entrada para a maioria dos jogadores, mas ainda possui pequenas falhas de design que eliminarão o equilíbrio de dificuldades se os jogadores não estiverem preparados para lidar com eles.
O último jogo da trilogia, Dragon Quest III: The Seeds of Salvation, muda as coisas, de modo que é difícil acreditar que ele foi originalmente lançado apenas um ano após o segundo jogo. A história começa no décimo sexto aniversário do herói, quando o rei os chama para derrotar o arqui-amigo Baramos depois de saber que o pai do herói já perdeu para a besta. Ao contrário das duas primeiras entradas, o enredo leva algumas voltas que não revelarei nessa review para não estragar aqueles que ainda não o experimentaram.
Dragon Quest III contém quase todos os recursos pelos quais a série Dragon Quest se tornou conhecida. Os jogadores podem criar seu próprio grupo de quatro personagens, personalizando seus nomes, classes e estatísticas básicas, que determinarão sua personalidade e taxas de crescimento. Classes e personalidades também podem ser alteradas mais tarde para ajudar os jogadores a criar seus times ideais. Os visuais de Dragon Quest III também mudaram para tornar a terceira entrada a melhor aparência dos remakes. Assim como as mudanças visuais na tela de batalha do Dragon Quest II, mais do mapa é feito para caber na tela, dessa vez diminuindo todos os sprites do jogo para fornecer uma imagem um pouco mais nítida. O mapa do mundo também é um pouco maior que o último jogo, mas com elementos suficientes da história para garantir o tamanho maior dessa vez. Dragon Quest III é considerado por muitos fãs como uma das maiores entradas da franquia, e com a quantidade de conteúdo e personalização disponível, não é difícil entender o porquê.


Veja os comentários abaixo!

0

Ixi! E agora, qual sua reação?

Gostei Gostei
2
Gostei
Uau Uau
2
Uau
Amei Amei
1
Amei
Nãaoo Nãaoo
1
Nãaoo
Confuso Confuso
1
Confuso
Raiva Raiva
0
Raiva
AndyDaher

Choose A Format
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Convencional
Formatted Text with Embeds and Visuals
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes