0

Um mercado, uma história...

Hoje em dia poucos sabem, mas o mercado nacional de quadrinhos já foi grande e assim como o americano, teve grandes marcas, grandes adaptações e etc.

Precursores e primeiros passos (1837 - 1895)

Em 1837, circulou o primeiro desenho em formato de charge, de autoria de Miguel de Araújo Porto-Alegre, que foi produzido em litografia e vendido em papel avulso. Mais tarde, em 1844, o autor criaria a revista de humor político Lanterna Mágica.

Em 1855, o francês Sébastien Auguste Sisson publica "O Namoro, quadros ao vivo, por S… o Cio" na revista O Brasil Ilustrado.

No final da década de 1860, Angelo Agostini continuou a tradição de introduzir desenhos com temas de sátira política e social nas publicações jornalísticas e populares brasileiras. Entre suas personagens populares, desenhadas como protagonistas de histórias em quadrinhos propriamente ditas estavam Nhô Quim (1869), a primeira HQ do Brasil, que também seria ilustrado por Cândido Aragonez de Faria, e o Zé Caipora (1883). Agostini publicou nas revistas Vida Fluminense, O Malho e Don Quixote.

“As Aventuras de Nhô-Quim, que falava de um jovem caipira, de 20 anos, que visitava o Rio de Janeiro – por causa disso, 30 de janeiro é considerado o Dia do Quadrinho Nacional.”

Em 1905 começaram a surgir outras histórias em quadrinhos nacionais com o lançamento da revista O Tico-Tico. Surgiu o personagem Chiquinho, de Loureiro. Também graças à revista, surgiram Lamparina, de J. Carlos, Zé Macaco e Faustina, de Alfredo Storni, Pára-Choque e Vira-Lata, de Max Yantok e Reco-Reco, Bolão e Azeitona, de Luis Sá.

Em meados de 1930, Adolfo Aizen lançou o Suplemento Juvenil, com o qual introduziu no Brasil as histórias americanas. O sucesso o levou a editar mais duas revistas: Mirim e Lobinho. Em 1937, Roberto Marinho entrou no ramo com O Globo Juvenil e dois anos depois lançou o Gibi, nome que passaria a ser também sinônimo de revistas em quadrinhos.

Na década de 50 a revista Sesinho, do SESI, permitiu o aparecimento de figurinhas carimbadas das HQs no país, como Ziraldo, Fortuna e Joselito Matos.

Para enfrentar a forte concorrência dos heróis americanos, foram transpostos para os quadrinhos nacionais aventuras de heróis de novelas juvenís radiofônicas, como O Vingador, de P. Amaral e Fernando Silva e Jerônimo – o herói do Sertão, de Moisés Weltman e Edmundo Rodrigues.

(Ao lado) Capa de Capitão 7 #1, Editora Outubro, 1959, arte Jayme Cortez.

Os quadrinhos de super-heróis tiveram vários personagens brasileiros lançados em revista nessa época: Capitão 7 (Que também teve uma série de TV na Redord), Escorpião, Raio Negro de Gedeone Malagola, "O Anjo", desenhado por Flávio Colin, citado como o melhor desenhista brasileiro.

A partir da década de 60, multiplicaram-se as publicações e os personagens brasileiros. Destaque para Pererê, de Ziraldo (que mais tarde criaria O Menino Maluquinho), Gabola, de Peroti, Sacarrolha, de Primaggio e toda a série de personagens de Maurício de Sousa, dentre os quais, Mônica, Cascão e Cebolinha.

Maurício de Sousa começou, em 1959, a publicar as tiras do Bidu no jornal Folha de S.Paulo. Depois, sugiram Franjinha e outros personagens. Já a Mônica apareceu em 1963 – o primeiro gibi dela foi lançado em 1970. O sucesso das histórias em quadrinhos não parou mais – entre as décadas de 1980 e 1990, até apresentadoras infantis, como Xuxa e Angélica, ganharam HQs próprias. Até hoje, Maurício de Sousa criou cerca de 400 personagens! E vendeu mais de 1 bilhão de gibis desde o lançamento de Mônica e sua Turma, em 1970.

Algumas celebridades que viraram personagens de quadrinhos.

O jornal O Pasquim ficou famoso por suas tirinhas de quadrinhos, principalmente os de Jaguar. O cartunista Henfil também se destaca nessa época. Daniel Azulay também criou e manteve um herói brasileiro, o Capitão Cipó, que representou um dos melhores momentos dos quadrinhos nacionais.

A partir da década de 80, os grandes jornais brasileiros passam a inserir trabalhos de autores nacionais em suas tirinhas, antes exclusivamente americanas. Dentre eles, destacam-se Miguel Paiva (Radical Chic), Glauco (Geraldão), Laerte (Piratas do Tietê), Angeli (Chiclete com Banana), Fernando Gonsales (Níquel Náusea) e Luís Fernando Veríssimo (As Cobras). Também a edição brasileira da revista americana Mad passa a publicar trabalhos com autores brasileiros. Detalhe: Moacir Torres cria a revista infantil Turma do Gabi (publicada até hoje pelo próprio selo do autor – EMT).

O Brasil entra no Século XXI com o mercado de quadrinhos em expansão

A Editora Globo continua a publicar com grande sucesso os gibis da Turma da Mônica; A revista Heavy Metal americana lança sua edição brasileira, a Metal Pesado, e editoras menores publicam materiais de outras origens. Alguns cartunistas nacionais lançam a revista caricata Bundas.

Os quadrinhos de super-heróis tiveram vários personagens brasileiros lançados neste período (1980/2000) também:

1988 Francinildo Sena cria o Super herói "Crânio"

1992 Moacir Torres cria o Super herói "Papo Amarelo"

1992 Roberto Guedes cria o super herói "Meteoro"

1998 Gabriel Rocha cria o Super herói "Lagarto Negro"

2002 – Micaías Ramos cria o Super herói "The Ninja"

2007 - Eloy Pacheco cria o Super herói "Escorpião de Prata"

Só para citar alguns...

Voltando um pouco no tempo... Vamos mencionar também algumas grandes adaptações:

Cenas do filme O Judoka

"O Judoka" foi um título de quadrinhos publicado durante anos e que ganhou a sua adaptação para o cinema em 02.12.1973

Sinopse:

"Carlos é estudante de arquitetura e está saindo com sua colega de faculdade Lúcia. Um dia, nas proximidades da casa da moça, um ex-namorado, com um bando de delinquentes, o espanca. Mas no caminho para casa, Carlos salva um senhor japonês, Minamoto, de ser atropelado. Este, que é professor de judô, lhe fica eternamente grato. Assim, Carlos começa a fazer aulas em sua academia e logo se torna um super-herói, resolvendo as mais insólitas confusões."

Outro grande sucesso foi a adaptação de JERÔNIMO, O HERÓI DO SERTÃO (1972)

Jerônimo começou como uma radionovela, ganhou uma série em quadrinhos, seriado de TV e filme nos cinemas.

JERÔNIMO, O HERÓI DO SERTÃO (1972)

Sinopse:

"Um enorme diamante - 'Rainha do Sul' - é roubado em pleno sertão. Uma firma seguradora de Londres apela para Jerônimo. A fim de recuperar a pedra, Jerônimo, Aninha e Saci têm que enfrentar uma estranha família: a viúva Tabarra, velha senhora, é na verdade chefe de uma quadrilha composta por seus filhos que, por ironia, ostentam nomes bíblicos: Eliezer, Ebenezer, Ezequiel e Esaú. Apenas a filha, Jezebel, que se apaixona por Jerônimo, revela bom caráter e o ajuda. Após muitas proezas, que redundam na morte da maioria dos filhos da viúva, Jerônimo recupera o diamante e encaminha para as grades os remanescentes da quadrilha."

É muito difícil falar sobre o gigantesco mercado de quadrinhos nacionais

em apenas uma matéria... Sei que muitas coisas ficaram de fora, mas fica aqui a contribuição do Galáxia Nerd em parceria com a comunidade Universo HQB


Veja os comentários abaixo!

0

Ixi! E agora, qual sua reação?

Gostei Gostei
3
Gostei
Uau Uau
1
Uau
Amei Amei
2
Amei
Nãaoo Nãaoo
1
Nãaoo
Confuso Confuso
1
Confuso
Raiva Raiva
0
Raiva
MRamos

Choose A Format
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Convencional
Formatted Text with Embeds and Visuals
Ranked List
Upvote or downvote to decide the best list item
Meme
Upload your own images to make custom memes